Crônica: O grande mestre José Jaime Rolim


Zé Jaime Rolim deu grande contribuição para a cidade
Sempre que posso e quando encontro tempo, costumo visitar conterrâneos ilustres que vez por outra procuram me ajudar a conhecer pessoas que tanto fizeram e que continua a fazer ações em benefício de nossa amada terra Areia Branca.
Nessas visitas vou de encontro aos grandes mestres da história e da cultura local. E é com grande alegria que hoje eu escrevo essa crônica para falar de um ser humano de memória invejável. Falo do grande mestre José Jaime Rolim, para os amigos Zé Jaime.
Tive a honra de quando adolescente, ser aluno dele na antiga Escola Técnica de Comercio, hoje Escola Municipal Professora Geralda Cruz. Naquele estabelecimento Jaime lecionava a matéria Educação Moral e Cívica (EMC). Foi com Zé Jaime que eu e outros alunos aprendemos  a escrever palavras corretas, pois o mesmo ditava cada palavra e depois corrigia minuciosamente cada caderno para confirmar que cada aluno escreveu de forma correta.
Eu aprendi muito com ele.  Sempre fui e ainda sou um admirador assíduo do velho mestre. E ele sabia disso. Ficava feliz quando estava ao seu lado aprendendo muito sobre os usos e costumes do nosso povo de outrora e atual. Sinto-me privilegiado com tudo isso.
Como sempre em minhas escritas procuro contar um causo que aconteceu quando Zé Jaime era meu professor. Outro dia estava dentro da sala de aula e certa turma fazia algazarras que não deixavam os demais alunos estudarem. De repente fomos surpreendidos por nosso diretor e professor Jaime. Ele chamou logo a atenção da turma para que tivessem educação e não fizessem algazarra na sala de aula.
Antonio Silvério (Im memóriam), Paulo César, Rogério Edmundo, José Jaime Rolim (Im memórian)
Eis que após a sua partida da sala de aula, a estudante Quinha de dona Naninha (im memoriam), soltou um produzindo um som parecido com o de uma flatulência. Zé Jaime virou-se para a turma e perguntou; “Quem de vocês soltou essa cafifa?”, e nenhum aluno se atreveu a falar o nome do autor do sopro estrondoso como também não sabiam que palavra era aquela. Com o silêncio, a classe toda foi suspensa.
De repente surgiu em meio de nós a aluna Aurilene de Chico Viriço que  apontando com o dedo Quinha, a autora do sonoro sopro em sentido de deboche. Naquele momento eu comecei a rir com a cena engraçada ora acontecida. Foi quando ele olhou para mim e Quinha dizendo o seguinte; “Vocês vão para casa e só entrarão nessa escola amanhã”. Na passagem pelo portão principal Zé Jaime me chamou. Fui de encontro ao professor que me interrogou o seguinte; “Você tem algum trabalho para fazer hoje?” Eu disse que sim e falei da disciplina de História da professora Lilica. Jaime subitamente me mandou retornar para a sala de aula para fazer meu trabalho. Mais rápido tratei de ir para sala de aula antes que ele mudasse de opinião. O Diretor detinha muito respeito por todos que foram seus alunos.
Depois frequentei o Centro Espírita Pai José de Aruanda que foi  presidido por ele onde por muitas vezes toquei rituais consagrados aos orixás e jurema sagrada na função de ogã. Sei e tenho a plena certeza que José Jaime tinha uma grande admiração por minha pessoa assim como eu tinha respeito por ele.
Sei que ao seu lado aprendi e muito a conviver com galhardia cada vivencia do nosso humilde povo, pois você foi um homem que esteve à frente do seu tempo com sua inteligência e sabedoria privilegiada. Ao mestre com carinho, minha eterna gratidão pelo tempo de aprendizagem. Seguiremos em frente meu ilustre mestre, Areia Branca te deve muito por sua obra e contribuição para a história dessa gente.
Paulo César de Brito
Crônica: O grande mestre José Jaime Rolim Crônica: O grande mestre José Jaime Rolim Reviewed by OGAM MARIANO DE XANGÔ on dezembro 07, 2012 Rating: 5

O QUE SÃO OGÃNS?

O QUE SÃO OGÃNS?
Ser Ogam é muito mais do que ser aquela pessoa no fundo do Terreiro, tocando pontos para as entidades, médiuns e assistentes. Ser Ogam é participar de forma efetiva e consciente nos trabalhos. Isso exige conhecimento, humildade, concentração, responsabilidade, mediunidade e amor. O Ogam é o responsável pelo canto, pelo toque, pela sustentação, pela parte física e equilíbrio harmônico dos rituais. Diferente do que muita gente pensa, um Ogam pode incorporar, porém, a sua mediunidade manifesta-se normalmente, de forma diferente do restante do corpo mediúnico. Manifesta, principalmente, através da intuição, das suas mãos, braços e cordas vocais. Os atabaques, quando devidamente consagrados e ativados pelos Ogãns, são verdadeiros instrumentos de auxílio espiritual, pois são capazes de canalizar, concentrar e irradiar energias que tanto podem ser movimentadas pelo próprio Ogam como pelas entidades de trabalho para os mais diversos fins

Juntos Somos Mais Forte!

Alguns textos, poemas e fotos foram retirados de variados
sites, caso alguém reconheça algo como sua criação e não
tenha sido dado os devidos créditos entre em contato.
''A intenção deste blog não é de plágio, mas sim de espalhar conhecimento e manter viva a nossa historia"

Ass: Mariano de Xangó
mariano_xango@yahoo.com

Quero fazer um pedido para vocês que se conectam com o nosso Blog.
Deixem seus comentários, pedidos e opiniões para que nosso blog fiquem cada vez mais atualizado para você, com bastante conteúdo quero que vocês nós ajudem,

E vocês de Axé se quiserem postar uma cantiga também será bem recebido.

Vamos fazer do blog um lugar informativo ao povo de Axé.
Obrigado!!!
e Axé a todos!!!!

Oração a Pai Xangó

Blogger news